segunda-feira, dezembro 05, 2016

O Papa e o Aborto: Quem pode perdoar?

   
Foto do Site Aborto Espontâneo
 Eu respeito aquele que senta ao trono de São Pedro, mártir da cruzada pela edificação dos valores universais e eternos. Nesse lugar, o Papa Pio IX pôs no direito canônico que a vida “existe desde o momento em que é concebida”, um princípio fundamental de nossa fé. Agora, o popular Papa Francisco resolveu dar aos padres o direito de perdoar o aborto. Na minha ignorância canônica, não consigo compreender como um homem possa ter o poder de perdoar o que não lhe é tangível, o coração de outro alguém, que ainda não bate.
   Eu creio no poder dos padres, mas não creio no perdão canônico, sem que haja conversão interior, e perfeito arrependimento. Como poderia um padre perdoar um homem/mulher que aborta? Não seria correlato a perdoar um assassino de outro alguém, sem lhe ser a vitima? Não seria mais glorioso que o próprio coração pudesse perdoar, como fez a mãe do goleiro Danilo, que embarcou no asqueroso voo da morte?
  Eu aprendi que tudo no mundo se cura e tudo pode ser resgatado no infinito coração misericordioso de Deus, mas confesso ao Santo Padre que fiquei confuso com sua decisão. Reconheço que, nesse mundo, aborto é  reflexão íntima, individual, mas para os católicos, a vida é um fruto do amor de Deus, e extrapola o dogma. Se não existir culpa, também não existirá o pecado, mas se existe fé, procure por Deus verdadeiro, pois é ele o senhor de sua consciência. Do contrário, a ordem do padre não poderá esconder o pecado do coração. Mas enquanto houver tempo, o caminho da Igreja é a porta aberta do coração para o perdão de todos nós. Como leigo não sei o que falo, mas sei que não sou conservador, nem puritano, e nem tão pouco concordo com as feministas de plantão (Leia Aqui), pois eu acredito em uma única perfeita solução, que é a educação. 

Nenhum comentário: